cartas

Moinho de Maré de Corroios

 
O Moinho de Maré de Corroios foi mandado construir em 1403 por D. Nuno Álvares Pereira, proprietário de uma grande parte das terras situadas em redor do Seixal. Em 1404, o Condestável doou-o, assim como aos bens que tinha nesta região, ao Convento do Carmo, ordem religiosa de que era Mestre. Já no início do século XVIII foi ampliado, mas não tardou a sofrer novamente obras, pois o terramoto de 1755 causou-lhe grandes estragos. Este Moinho, conhecido também por Moinho do Castelo, mantém-se em condições de funcionamento até aos nossos dias. Em 1980 foi adquirido pela Autarquia. Durante 6 anos sofreu obras de restauro e em 1986 abriu ao público, como núcleo do Ecomuseu Municipal do Seixal.

Devido a obras de conservação e requalificação, este núcleo esteve encerrado ao público até setembro de 2009, e reabriu após um processo de qualificação com um investimento de mais de 2 milhões de euros.

Classificado como Imóvel de Interesse Público, o moinho oferece a todos os visitantes uma exposição de longa duração denominada “600 anos de Moagem no Moinho de Maré de Corroios”.

Horário de inverno (outubro a maio):
Terça a sexta-feira das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas
Sábados e domingos das 14 às 17 horas

Horário de verão (junho a setembro)
Terça a sexta-feira das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas
Sábado e domingo, das 14.30 às 18.30 horas

Encerramento: Segunda-feira e feriados nacionais e municipal

Morada: Quinta do Rouxinol, Corroios

contentmap_plugin

raposinho

 

banner-nautical-center

 

IHidrografico

IM